Smash Up é um jogo de cartas originalmente lançado em 2012 pelo Alderac Entertainment Group, uma empresa da Califórnia. O jogo foi criado por Paul Peterson, um designer de jogos que já trabalhou em empresas de renome como Wizards of the Coast e Paizo no desenvolvimento de outros jogos de sucesso, como o Pathfinder Board Game e o seu primeiro grande sucesso, Guillotine, de 1998.

Smash Up foi trazido esse ano (2015) para o Brasil pela Galápagos Jogos, e a análise a seguir é baseada em duas partidas completas jogadas com 3 jogadores, com um exemplar do jogo comprado por um dos jogadores.

Jogabilidade

O jogo em si é simples e bem explicado. Apesar do manual parecer grande, poucas páginas já explicam todas as regras do jogo, e a maior parte dele é dedicado à dar exemplos e ilustrações para acabar com qualquer dúvida que reste. A idéia do jogo é a seguinte: existem 8 baralhos de 20 cartas cada um, representando as facções do jogo, e cada jogador vai misturar dois deles para criar a sua equipe.

Smash Up facções
As facções do jogo, a partir do canto superior esquerdo, em sentido horário: Dinossauros, Alienígenas, Trapaceiros, Ninjas, Zumbis, Magos, Robôs e Piratas.

Cada uma das facções tem alguma característica marcante: por exemplo, os Zumbis estão constantemente reutilizando as cartas que já foram destruídas, enquanto os Ninjas tem várias formas de pegar seus oponentes desprevenidos e estragar os planos deles. Quando o jogo vai começar, cada um dos jogadores tem o seu baralho de zumbis magos, dinossauros piratas, robôs alienígenas ou qualquer outra combinação que escolha. Além desses baralhos de facção, o jogo também vem com um baralho de bases, como essa aqui:

Smash Up Base

 

Os jogadores se revezam jogando lacaios em cima de cada uma das quatro bases que são reveladas no começo do jogo. Cada lacaio tem uma determinada quantidade de poder, e tão logo o número no canto superior esquerdo da base for menor ou igual à soma do poder de todos os lacaios que foram jogados naquela base, ela é destruída, e seus pontos são distribuídos entre os jogadores. Na base da foto, quem tiver colocado mais poder na base ganha dois pontos, o segundo colocado ganha três, e o terceiro colocado ganha dois. O quarto colocado ganha vergonha na cara. Mas espera aí, o segundo colocado ganha mais pontos que o primeiro? Pois é, nessa base, sim. Cada base tem a sua peculiaridade, o que contribui ainda mais para a diversidade do jogo: às vezes, é mais interessante não estar em primeiro lugar! O jogo acaba quando algum jogador completar quinze pontos.

Valor de Produção

As cartas em si são de ótima qualidade, feitas do mesmo tipo de “papelão plastificado” que cartas de baralho: são fáceis de embaralhar e parecem resistir bem à dobraduras (como as cartas não eram minhas, eu não as maltratei tanto quanto gostaria).

Outro ponto positivo é o tamanho delas: as cartas cabem perfeitamente dentro de sleeves de Magic, o que significa que vai ser fácil você encontrar plastiquinhos para protegê-las, caso deseje fazê-lo. Mas mesmo sem sleeves, eu não me surpreenderia se esse jogo durasse alguns anos em perfeito estado.

Cada uma das facções segue uma direção de arte diferente, o que eu achei interessantíssimo. Mesmo que as cartas não tivessem o símbolo da facção no canto inferior direito, todas são facilmente identificáveis pelo estilo de arte, fonte e layout da carta. As ilustrações são bem feitas e de maneira geral atendem o seu propósito: as duas exceções são os alienígenas, cujas figuras cartunescas destoam completamente do estilo sóbrio do resto das ilustrações; e os robôs, que tem muitas artes muito parecidas. Cartas de outras facções eu lia uma vez e podia identificá-la de longe apenas olhando o seu desenho. Os robôs, por sua vez, eu precisava constantemente pegar as cartas da mesa e reler antes de fazer qualquer jogada, simplesmente porque a maioria deles não era icônica o suficiente.

E quanto à erros de tradução… Havia uma carta dos Robôs que dizia ser um Lacaio, mas obviamente era uma Ação. Fora isso, não encontramos mais nada obviamente traduzido errado, nem nada que nos tenha feito desconfiar que talvez fosse diferente na versão em inglês.

Agora, quando falamos do conteúdo da caixa, eu encontrei, na minha opinião, o maior ponto fraco do jogo. Dentro da caixa do jogo, estão apenas as cartas, o manual e uma cartela de fichas que valem 1 ou 5 pontos.

Smash Up Acessórios
Básico, mas funcional.

E aí eu já consigo escutar a galera digitando nos comentários “Porra, Baramallo, mas tu é chato, hein? É um card game, o que você queria, que viesse um carro dentro?

Veja, meu amigo, a edição americana de Smash Up. Não é uma edição deluxe ou de qualquer forma especial, essa é apenas a caixa normal do jogo nos EUA:

Smash Up Americano

 

Mesmo ignorando completamente o fato de que uma caixa com divisórias dessa forma consegue acomodar confortavelmente qualquer uma das expansões do jogo, uma caixa dessa é muito mais atrativa do que nove saquinhos plásticos com as cartas dentro! Diabos, que esse suporte viesse no lugar da cartela de pontos! Eu acredito que o público alvo desse jogo consegue contar até quinze, assim como acredito que ele consiga entender a importância do apelo visual para a apreciação de um bom jogo!

Reclamações à parte, quando o maior ponto fraco do jogo é o fato de que ele não veio com uma bandeja de plástico, isso demonstra o quão forte o jogo é.

Rejogabilidade

Smash Up é um jogo espetacular, desde que você não jogue ele muito. Jogamos duas partidas uma atrás da outra, e eu conseguiria jogar uma terceira, mas não fazia nenhuma questão. Dois dias depois, eu me peguei pensando como seria legal jogar com Trapaceiros Alienígenas, e agora que eu escrevi todo esse texto sobre o jogo, admito que fiquei com uma vontade danada de jogar novamente!

Eu diria que é um ótimo jogo pra juntar uma galera e jogar, mas um péssimo jogo pra levar com você pra passar uma semana na praia: eu realmente acredito que se jogasse duas partidas por dia durante uma semana, eu nunca mais iria querer olhar pra cara dele. O jogo tem muitos elementos aleatórios pra que você consiga realmente bolar uma estratégia, de forma que a grande graça do jogo é ver como as cartas de cada uma das facções funcionam em conjunto, razão pela qual eu fiz absoluta questão de não ler as cartas de antemão!

Com oito facções na caixa, existem 28 combinações possíveis. Assumindo quatro jogadores, em sete partidas você viu todas elas funcionando. Claro, vai demorar um pouco mais pra você efetivamente jogar com todas as 28, e ainda há a possibilidade de alguém querer me fazer engolir a minha afirmação de que o jogo é aleatório demais pra permitir estratégia e se dedique à jogá-lo exaustivamente até encontrar um padrão nessa loucura toda.

Mas francamente, eu acho que a melhor forma de você estender a rejogabilidade de Smash Up é comprando as expansões. Nos Estados Unidos eles estão prestes a lançar a quinta expansão, e cada uma delas vem com quatro novas facções. Uma única expansão já levanta o número de combinações possíveis para um respeitável 66, então vamos torcer para que a Galápagos as traga o mais rápido possível!

Smash Up
Ah, e nunca se esqueçam: o amiguinho que escolhe jogar com Magos Zumbis não é amiguinho, é cretino.

 

 

 

 

Nota Final
Jogabilidade
Valor de Produção
Rejogabilidade

2 COMENTÁRIOS

  1. Tente Dinossauros & Zumbis. Os Dino são a força bruta do jogo; batem muito forte e viram alvos fáceis. Mas como são zumbis, retornam ao jogo para continuarem batendo forte 🙂
    Mas então, tenho a versão americana importada pela “Rocky Raccoon” (ótima loja, recomendo a quem não conhecer). O jogo tem um acabamento espetacular para o que se propõe, as pinturas são muito boas, individuais à cada facção – conforme você falou – e minha caixa tem divisórias 😀 SFAE
    Particularmente, não acho que enjoaria tããão rápido conforme você disse, mas entendo quem se sentisse enjoado. Agora, sobre a questão da aleatoriedade… Rapaz, dá pra pegar padrões de jogo sim, rsrs… Sinto lhe informar, mas o Smash Up vai desde a categoria “Jogo casual/família” até “Competição acirrada”.
    Divertido, belo acabamento/artes, facilidade de compreensão, familiar/competitivo e divertido demais. Nota 9/10!

  2. Enfim, agora a Galápagos está prestes a lançar duas expansões em uma só caixa que funciona também como caixa básica e aumenta as possibilidades de combinações para 120 com as novas 8 facções! Então, fique feliz, pois a rejogabilidade foi além do que você desejava! Ohhhh yeaaaahhhh…

Deixe sua Resposta