Esta é uma faceta dura, porém inegável, da realidade: Existem pessoas que nunca assistiram Star Wars. Algumas dessas pessoas têm uma boa desculpa, especialmente as que não completaram treze anos de idade ou cresceram em zonas de conflito ou situação de miséria. O resto deve ser excomungada até conseguir comprovar ter remediado seus erros.

Mas o que fazer ao apresentar a ópera espacial definitiva para alguém? Você tem duas opções óbvias:

  • Ordem de Lançamento
  • Ordem de Episódios

O problema em assistir os filmes na ordem dos episódios (ou seja, do 1 ao 6) é que você estraga completamente a surpresa de que Darth Vader é o pai de Luke Skywalker. E se você acha que todo mundo sabe disso, é porque você nunca teve a oportunidade de asssistir esses filmes com alguém que não sabia disso. É uma das reviravoltas mais impactantes do cinema, e seu corpo irá rejuvenescer cinco anos quando ver a mente de alguém explodindo por isso!

anakinSe você, por outro lado, tentar assistir os episódios na ordem em que foram lançados, vai ser agraciado com a imagem do Hayden Christensen pensando em sacanagem no fim do episódio VI. O quanto essa cena, fora de contexto, atrapalha a trama por inteiro me faz ficar surpreso que George Lucas tenha decidido colocar Hayden ao lado de Obi Wan Kenobi e Yoda. Eu digo “Hayden” e não “Anakin” porque até esse momento, esse ator é apenas um ator! Ele não apareceu em nenhum momento nos filmes da trilogia original! O ator que originalmente aparecia aí era o Sebastian Shaw, cujo rosto Luke encontra ao remover a máscara de Darth Vader.

Pensando em como solucionar esse dilema, Rod Hilton chegou à ordem que ele publicou em seu blog pessoal e chamou de Ordem Machete: Os filmes devem ser assistidos na ordem IV, V, II, III e VI. Ou seja, a saga começa com Princesa Léia fugindo de Darth Vader, segue até a revelação de que Darth Vader é o pai de Luke Skywalker em O Império Contra Ataca, que acaba com Luke pensativo olhando o espaço ao lado de sua irmã. Temos então um flashback até o começo do Episódio II, que vai mostrar a relação entre Obi Wan e Anakin, e no episódio III vemos a sua transformação em Darth Vader. Voltamos então para a história que estávamos contando originalmente e mostramos como a Aliança finalmente vence o Império, a morte de Darth Vader, e agora faz sentido que esse moleque apareça junto com Obi Wan e Yoda.

Mas e o episódio I? Pois é, essa é a ideia que torna tão brilhante a Ordem Machete! Ela trata o episódio I como parte do universo expandido, da mesma forma que os livros e quadrinhos de Star Wars. Isso não é chamar o filme de ruim ou de bom (afinal, o universo expandido tem pérolas e toletes) e sim afirmar que o filme não é necessário para a história… E ele não é! Vejamos, o que nós perdemos com a remoção de episódio I?

  • Jar Jar Binks: Ele não tem falas no episódio III, e quase nada no episódio II.
  • Jake Lloyd: De repente ele é um ótimo ator hoje, mas mandou muito mal como jovem Anakin.
  • Aquela história de Padmé na verdade ser a Rainha Amidala e vice versa.
  • Concepção Imaculada: Pra quê essa história de que a mãe de Anakin engravidou da Força?
  • Disputas Comerciais: A trilogia original é sobre a luta entre o Império e os Rebeldes. Episódio III é sobre o fim da Guerra dos Clones. Episódio II é sobre sistemas que querem sair da República. Isso são problemas fantásticos. Um embargo comercial, não.
  • Corrida de Pods: É legal? É, pelos primeiros dez minutos.

Talvez você goste de uma ou mais dessas partes do filme, mas você há de concordar que nenhuma delas é vital pra compreensão da saga. E cá entre nós, não dá pra considerar o episódio I importante! Parece Las Vegas: tudo de interessante que começa no episódio I, fica no episódio I! Qui Gon Jinn e Darth Maul morrem, Watto e Nute Gunray nunca mais aparecem, Mace Windu vai ser desenvolvido como personagem somente nos outros filmes…

Mas a Ordem Machete não é só fingir que um dos filmes não importa existe: ela ativamente melhora algumas coisas! No episódio II, Padmé se refere à Anakin como “Aquele menininho que conheci em Tatooine”. A idade dos dois é próxima, o que dá a entender que eles eram amigos de infância em Tatooine, e cresceram juntos, e aí foi plantada a semente do amor que floresceu. Eu e você vimos o episódio I. Sabemos que não foi nada disso. O moleque que tinha uns 7 anos conheceu a menina que devia ter uns 14, os dois coexistiram por talvez uma semana inteira, e fim de papo. Além disso, remover o episódio I melhora a consistência nos personagens: tirando Episódio I, Obi Wan sempre tem barba e Anakin/Vader sempre se veste de preto. Considerando que eles são os únicos personagens a serem interpretados por mais de um autor, é importante que eles tenham atributos que os identifiquem. E o meu favorito: remover o Episódio I melhora significativamente Darth Sidious, o Imperador Palpatine. No Episódio I, logo no começo do filme, fica bem claro que Darth Sidious é quem está manipulando a Federação Comercial, e fica bem claro que ele é, na verdade, o Senador Palpatine. Se você pula o episódio I, tudo que você sabe é que existe um movimento separatista que está sendo arquitetado por um lorde Sith chamado Darth Sidious. Apenas no episódio III revela-se que esse Darth Sidious é na verdade Palpatine, momentos antes dele se tornar Imperador da Galáxia. E é nesse momento que encaixa na cabeça do nosso amiguinho que não tinha visto o filme que essa é a origem do Império que a tal Aliança Rebelde estava enfrentando nos episódios IV e V!

Claro, nem tudo é perfeito: Qui Gon Jinn é mencionado uma vez no episódio II e uma no episódio III. Mas em ambos os casos, é alguém falando pra Obi Wan Kenobi uma frase começando com “Seu antigo mestre Qui Gon Jinn”, então dá pra entender perfeitamente o que acontece. E nos episódios II e III existem menções ao fato de Anakin ser parte de uma profecia que nunca é explicada em detalhes (porque foi explicada no episódio I), mas dá pra ignorar porque Yoda diz no episódio III que é possível que a profecia houvesse sido interpretada errado.

O único problema sério na Ordem Machete é a cena em que Anakin volta pra Tatooine. Nós não sabemos que a mãe dele é uma escrava. Nem que ele construiu C-3PO. Então quando ele volta pra seu planeta natal e Watto diz que vendeu a sua mãe, fica esquisito, igual quando C-3PO chama Anakin de Criador e os dois agem como se já se conhecessem. Mas estas são as únicas pistas que restam de que um filme inteiro foi removido da trilogia, e é um minúsculo preço a pagar por todas as vantagens.

No fim das contas, mesmo que você seja uma das seis pessoas que gostam do Episódio I, dê uma chance à Ordem Machete. Especialmente se faz tempo que você assistiu os filmes, você terá uma experiência completamente nova assistindo os filmes assim.

E se você nunca assistiu nenhum filme de Guerra nas Estrelas, você não tem direito de discutir comigo. Cale a boca, saia desse computador e vá assistir os filmes. Quando terminar a gente conversa.

Artigos Relacionados

6 COMENTÁRIOS

  1. eu assisti o episódio 1 quando era garoto e não acho que ele tenha que ser removido e vou explicar por que.

    primeiro, deve-se assistir à saga na ordem de lançamento, ou seja 4, 5 e 6 e depois 1, 2 e 3.

    não é só o fato de vader ser o pai de luke que está impresso nessa ordem… quando george lucas lançou a peimeira trilogia, ele contou a história de luke skywalker, e foi isso que o mundo viu.

    quando eu sentei a bunda no cinema pra assistir o episodio 1, sem nem ao menos saber do que se tratava, eu vi, junto com o mundo, que a historia de star wars não é sobre luke… é sobre anakin !

    ver aquele doce garotinho no episódio 1 é muito importante, pois ali se planta a semente de como ele irá se voltar para o mal…?

    e somente no do episódio 3 é que vemos, um filme carregado, com clima pesado, trilha sonora angustiante… somente ali vemos que star wars é na verdade uma historia de amor.

    a obra de um genio não pode ser tolhida assim.

    a obra de um genio pode ser apreciada do modo como cada um deseje, mas apreciar do modo que o genio quis passar, faz toda a diferença.

    e que se foda o fantasma do anakim no filme 6.

    • Bom, depois de assistir diversas sagas e trilogias que eu ainda não havia visto, se há algo bom que posso tirar desse complicado ano de 2015 foi o tempo empreendido em conhecer grandes obras da sétima arte. Pasmem, eu nunca havia assistido Harry Potter, Senhor dos Anéis e Star Wars…
      Sabendo da diferença de tempo do lançamento entre as duas sagas, fiquei confuso sobre em que ordem assistir e depois de ler alguns blogs – tomando o máximo de cuidado para evitar spoilers – decidi assistir na Ordem Machete.
      Com o testemunho de quem nunca havia assistido a saga, eu digo: não poderia haver melhor ordem. Ratifico todas as justificativas acima. Apesar das críticas aos filmes mais recentes, o conhecimento da história adquirido nos episódios IV e V deixam o final do episódio III muito p.h.o.d.a!
      Recomendo e garanto que quem assistir nessa ordem não se arrependerá!

  2. O grande problema é que eu resolvi de assitir o episódio IV esse dias e fiquei decepcionado, perdi o fogo, fiquei sem animo pois o meu querido sem nada pra fazer além de estragar filmes bom George Lucas encheu o filme de CGI bosta que me desanimou foda, daí lembre dos bicho cantando na casa do Jabba o hayden safadão no final aí é foda…

  3. A ordem machete é a melhor!
    Quando entrei no mundo de Star Wars eu não sabia que tinha essas paradas de ordem, então assisti o Episódio I primeiro, particularmente, achei um tédio, e então não tive curiosidade de assistir os outros.
    Depois de muito tempo eu li nesses blogs as ordens que dá pra assistir os filmes, quando eu vi a ordem Machete, foi amor a primeira vista só por não ter o Episódio I KKKKKKKKKK
    Depois de assistir os outros filmes da saga (na ordem Machete, claro) virei a maior fã, Star Wars é o bicho!
    Ah, antes que eu me esqueça: Que a Força esteja com você!

Deixe sua Resposta